Loading...

quinta-feira, 2 de maio de 2013




A VIDA


Quem já passou momentos  DIFÍCEIS na VIDA?  Quem nunca teve TROPEÇOS ?  Quem nunca amargurou uma DERROTA? Quem já sentiu que tudo chegou  ao FIM ?

DESISTIU ou encontrou Forças para se levantar e tentar novamente?

CHORAM,  LAMENTAM ,DESESPERAM  aliás,  muitos dão o fim `a sua própria vida.  Acontecem tantas coisas na Vida que você não sabe ou não possa compreender a situação , surgindo a dúvida em saber se  realmente conseguirá se sobrepujar.

Você passa por por uma tempestade na Vida e não sabe quanto tempo irá durar.

As pessoas esquecem o que é dar a VOLTA POR CIMA.  Na verdade esquecem algo muito simples que é SER PACIENTE.

Sempre diz que ninguem entende o seu problema  inclusive,  o seu problema é sempre maior aos  dos outros.

Tantos não conseguem superar as dificuldades. Será que não procurou soluções  o suficiente e optou pelo lado simples e covarde em cometer o pior .....

Levando em conta o alto índice de suicídios no Japão e sobre os motivos  que levam essas pessoas a cometerem estas atitudes, fiz algumas pesquisas.

Incrível que pareça de estudante secundarista que fosse mal numa disciplina tinha motivo suficiente para se matar. Sem falar em stuações como  vestibular, concurso, entrevista, etc. (vergonha, orgulho , preconceito, culpa, reputação,  sociedade).    Interessante também os acontecimentos na Floresta dos Suicídios (Aokigahara) do romance  Kuroi Jukai (Mar Negro de Árvores) cujo par romântico se mata ali. A ficção tem levado muitas pessoas àquele local para por fim à Vida.

Na crise econômica no Japão (2008/9) como informou o BBC Brasil, teve crescimento bárbaro pois, foram mais de 30 mil pessoas que se mataram. No Japão uma pessoa se mata a cada 20 minutos em média. O índice de Suicídios é de 24 a cada 100 mil pessoas. Abaixo somente da Rússia, onde a relação é de 40 para 100 mil. No Brasil é de cinco.

A cultura do suicídio é forte no Japão, onde se matar é considerado honra. Trata-se claro, de uma dessas bobagens culturais que se impregnam nas novas gerações como se fossem – e são – legados malditos.  Até hoje só tive conhecimento  (TV brasileira 2009) de um dekassegui que ficou desempregado e que tentou se matar.

Com a finalidade de minimizar esta situação preocupante  aqui no Japão existe o chamado CVV – Linha de Vida (em português) pelo  telefone ou atendimento pessoal (sigiloso),  em ajudar , socorrer cidadãos, para a Prevenção e Valorização da Vida. O governo (prefeituras) e as ONGs ( Centros Multiculturais, NPOs ) mostra que você não está sozinho.

As taxas de suicídio no Japão  estão entre os maiores no mundo e se tornou um grande problema  social há anos. As causas são muitas. A longa e duradoura recessão e o desemprego são certamente os fatores contribuintes para altas taxas atualmente. Outros fatores são o uso pesado de alcool, os efeitos das falências e os crescentes níveis de estresse sobre os empresários e outros trabalhadores assalariados que sofreram enormes dificuldades no Japão desde o estouro da “Bolha Econômica” do mercado de ações de 1997. Após a crise aumentou cerca de 35%. Além da influência sócioeconômica, há ainda o contexto histórico/cultural que também são fatores determinantes para os altos índices.

Por este ponto de vista, o suicídio é visto na sociedade japonêsa como uma “Virtude” ou um “Ato Heróico”  e não como “Pecado” ou “Culpa”, como acontece no mundo ocidental,  segundo o sociólogo Masahiro Yamada da Universidade Chuo em Tóquio.  Exemplo disso é o “Harakiri” e os “Kamikases” da segunda guerra mundial.

Para conter e prevenir os suicídios, várias medidas de prevenção de suicídios estão sendo feitas como a Lei Básica de Prevenção de Suicídios.

Entretanto a julgarmos pelos motivos que levam as pessoas a cometerem , e só  revivermos a enorme tragédia que se abateu  no nordeste do Japão com mais de 20 mil mortos e desaparecidos, cujas sequelas até  hoje continuam provocando sofrimento e dor, não só aos sobreviventes mas à toda comunidade japonêsa.  Em questão de minutos perdeu-se tudo. Tudo que era de  maior importância e sagrado em suas Vidas. O Tsunami arrastou tudo. Imaginem a situação das pessoas que de um momento a outro não existiam mais a família, filhos, esposa (o), pai,  mãe,  amigos, o lar enfim, nada restando  e obviamente a perda de  toda a motivação, o significado da Vida, sem rumo e sem objetivos, criando vários  pensamentos subjetivos tendo motivos suficientes para o extremo.. Por incrível que pareça a maioria está conseguindo superar como se fossem um desafio em sua Vida. Sobreviveu para poder ajudar tanto os que necessitam. Como disse um dos sobrevivente que ficou orfão da família: “ Procurarei Viver intensamente pelo  espaço  e no lugar  dos que foram”.  Sem dúvida é de uma coragem incrível .  Onde e como será que encontrou forças para enfrentar.  Creio que seja uma coisa chamada FÉ ( esperança , otimismo ).

Por outra visão tenho ouvido casos de tantas garotas com distúrbio alimentar (anorixia , bulimia) e, também que tantas pessoas com Ódio de Vida devido a sua situação em casa. Com Ódio dos outros e,  na verdade sentem –se como se não valessem nada.  Julgam ser feia  mas são lindas, do jeito que são! É mentira pensar que você não é Bom o bastante. É mentira pensar que você não vale nada. Tenha orgulho de si.

  Vencer os Desafios. Ter  uma nova perspectiva de Vida.  Ser Grato por tudo,  Sonhar grande e nunca Desistir. Ter Forças para conquistar tudo que vem à sua frente. Se cair,  Levante-se.  Se falhar , jamais desista. Tentar, tentar e tentar novamente .  Desistir ....Nunca!

De qualquer forma nas emoções humanas é muitocomplicado.  Para superar os sentimentos ( negativos)  o chamado “Depressão” deve procurar com urgência um psicólogo para o tratamento. Muitas vezes pensamos estar ajudando um amigo , na tentativa de distrair e fazer reagir mas, na realidade ninguem sabe o que um deprimido sente,  só ele mesmo.

Como prevenção, é fundamental o apoio familiar ou pessoas próximas  conscientizarem  sobre a realidade quando surgir esses sintomas adotando-o um estilo de vida com melhor qualidade possível seja de causa Orgânica , Social ou Emocional.

Evidentemente o que aconteceu com você até agora não é o que vai definir o seu futuro e sim a maneira como você vai reagir a tudo o que aconteceu.  Sua vida pode ser diferente.  Não se lamente pelo passado. Construa você mesmo o seu futuro.  A nossa Vida é simplesmente o reflexo das nossas ações.  A sua vida não é uma coincidência;  A sua Vida é consequência de você mesmo!!!


“AVIDA É UM CONSTANTE RECOMEÇO. NÃO SE DÊ POR DERROTADO E SIGA ADIANTE.  AS PEDRAS QUE HOJE ATRAPALHAM SUA CAMINHADA, AMANHÃ ENFEITARÃO A SUA ESTRADA”.

terça-feira, 26 de março de 2013


“ABENOMICS”  - JAPAN

 

O que realmete significa e qual é a importância e o efeito aos brasileiros (dekasseguis), o fenômeno  “ABENOMICS”  ??

O “ABENOMICS”  é uma estratégia econômica  do governo do primeiro-ministro SHINZO ABE que tem como meta tirar o país da Deflação e a Desvalorização Cambial. A situação pode ser um reflexo da medida de flexibilidade na política monetária do primeiro-minístro, mas é fato que houve avanço de desvalorização do iene.  Semana atrás, o iene despencou em relação ao dólar na bolsa de Nova York chegando a 95 ienes/dólar, podendo atingir 100 ienes rapidamente. Retrocedendo para setembro de 2008 após o choque econômico provocado pela falência do banco Lehman Broders, o iene continuou se valorizando chegando a atingir 75 ienes.

O termo ABENOMICS passou a ser utilizado como uma mistura de uma política monetária ousada e de uma política orçamental flexivel, concentrada numa forte expansão do investimento pública e, claro, por uma marcada desvalorização do iene, resultado de uma política monetária também ela marcadamente expansionista.  Anunciou um amplo pacote de emergência de estímulo à economia, por um montante próximo dos 165 mil milhões de euros. A estimativa do primeiro-ministro Abe é a criação de 600 mil empregos.

O Banco de Investimento japonês Namura prevê que o impacto na economia em 2013 seja de 0,8 pontos percentuais no crescimento do PIB. Deste pacote, 10,3 biliões de ienes (cerca de 90 mil milhões de euros) ocorrerão em despesa pública adicional para estimular a atividade industrial, a renovação e investimento em energia renováveis. Reconstruir as áreas devastadas pelo tsunami de 2011 e obras de prevenção de desastres, além de investimento em segurança social e educação. Outros 2,8 biliões de ienes (23 mil milhões de euros) terão por destino o fundo estatal de pensões.

Segundo a imprensa é uma oportunidade de ganhar o jogo contra o won da  Coréia do Sul.  A razão é que o setor manufatureiro do Japão é altamente dependente das exportações, e vinha efetivamente sofrendo com a situação, principalmente no setor de eletrônicos e tem perdido completamente a batalha contra won da Coréia do Sul, previlegiado no mercado de câmbio. As mídias tem veiculado sobre a desvalorização do iene e segundo o sr Mio Koukichiro do Instituto de Pesquisa Nissay disse: “quando o iene se desvaloriza frente ao dólar, o won da Coréia do Sul e o yuan da China se valoriza. Issso significa que ocorre um resultado duplo no mercado de câmbio ou seja, diminui a diferença de preços manufatureiro para o Japão e o país consegue recuperar mercados que tinha perdido para Sansung e outras empresas.”

Resumindo:  a estratégia de crescimento econômico adotado pelo “ABENOMICS” é reativar o setor manufatureiro. É óbvio que o governo da Coréia do Sul vai combater a alta do won e já estuda a possibilidade de adoção de medidas como taxar as transações realizadas em moedas estrangeiras. Entretanto o  país corre o risco de sofrer com a fuga dos investidores. A China pelo crescimento econômico o yuan fica mais valorizado e lucra com as exportações porque o Banco Central do país intervém no mercado de câmbio e faz o ajuste, porém  os países que importam da China não tem gostado nada dessa situação.

 

                                                        “MADE IN JAPAN”

 

Desde o tempo atrás (mesmo no Brasil) os eletrônicos Made in Japan eram considerados os melhores do mundo. Hoje a qualidade pode continuar a mesma , mas surgiram marcas concorrentes de outros países, com tecnologia semelhante porém com os preços menores. Comenta-se que o Japão parece ter dormido no ponto e acordou tarde de mais. Este declinio no setor de eletrônico e a briga pelo mercado disputado pela China,  Coréia do Sul e outros países asiáticos com as medidas do primeiro-minístro Shinzo Abe, tem de certa forma aliviado a tristeza dos exportadores japonêses, superando a angústia profunda das dificuldades de produção que no passado foi fundamental para o sucesso do Japão, dando ao país um certo orgulho nacional.

 

Como numa novela que exibiu recentemente pela NHK “Made in Japan”com teor realístico, falavam sobre empresa japonêsa, de um engenheiro demitido de uma empresa de eletrônico perto da falência. Obviamente a empresa é fictícia e tem prazo de três mêses para adotar um plano de reestruturação. O engenheiro demitido vai trabalhar na China e leva projetos e informações tecnológicas. De fato, muito do desenvolvimento do setor de eletrônicos de países asiáticos se deve a profissionais japonêses que perderam o emprêgo ou não foram devidamente valorizados e resolveram usar seus conhecimentos nas marcas concorrentes.

Por trás da novela, a NHK levanta uma questão mais profunda. O popular setor de eletrônicos do Japão, puxado palas marcas como Sony, Panasonic, Sharp e outras que tem apresentado prejuízos financeiros, poderá sobreviver à concorrência global?  Alguns analistas dizem que a qualidade “Made in Japan” é importante para o futuro do setor,  mas os fabricantes precisam se voltar para questões mais condizentes com a realidade atual. As marcas japonêsas continuam acreditando que a qualidade dos produtos Made in Japan é a munição para vencer a China e a Coréia do Sul. Mas no setor de autopeças não dá para ignorar o rápido progresso tecnológico da Coréia do Sul.

As empresas japonêsas precisa melhorar a qualidade de produtos para que não sofra com as oscilações do mercado de câmbio. É preciso se esforçar para oferecer produto de qualidade “número um” ao mundo. Por isso por um bom tempo é interessante ficar atento. Por esta movimentação pode influenciar muito o mercado de trabalho dos brasileiros. Esta estratégia ABENOMICS objetiva pelo fato de sair da deflação e de provocar intencionalmente a inflação, porém é vista no exterior como uma forma de indução da desvalorização da moeda.

Outra atribuição do fenômeno ABENOMICS é o que o Japâo está passando uma situação que parece um sonho: a alta no mercado de ações e a valorização dos títulos públicos ocorrendo ao mesmo tempo. Um presente raro a população pois, até agora os preços das ações estavam baixo demais. A alta das ações e dos papeis públicos ao mesmo tempo é só um fenômeno do momento. A recuperação econômica vai provocar o aumento dos juros que por sua vez vai desvalorizar os títulos públicos . O resultado normal é a queda nos títulos público e alta no mercado de ações.

Apenas se alegrar ou lamentar com cada fenômeno não mudanada fundamentalmente. A moda de produzir localmente o que vai ser consumido entre as grandes empresas mudará assim como a transferência de pequenas e médias empresas em busca de novos mercados no exterior.  A indústria a longo prazo se moldará chegando a um equilíbrio, acabando com as diferenças de salário entre China, Sudeste Asiático e Japão. Será uma adaptação para uma era em que os serviços e produção do Japão serão mantidos, e os salários da China e Sudeste Asiático aumentarão enquanto o do Japão diminuirá acabando com a diferença salarial no mundo e a valorização da experiência industrial.

A indústria  japonêsa voltará a ser a número um do mundo, com os produtos da melhor qualidade.  O Japão não mudará com o ABENOMICS mas o ambiente para viver tranquilamente coma família seria muito melhor em comparação com outros países.

 

sábado, 2 de fevereiro de 2013















JAPÃO  versus  CHINA

Parece tratar-se de algum jogo ou disputa esportiva mas, infelizmente, Não! Antes fosse aliás  sempre foram rivais esportivos como Brasil e Argentina. Porém,  desta vez é disputa pelas iIhas (Senkaku ou Diaoyu – em chinês). Nesse conflito entre os dois países afetou drasticamente a economia japonesa  que vinha recuperando das crises econômicas, tsunami e acidente nuclear, e tem  proporcionado  as incertezas e preocupações no mercado de trabalho principalmente para nós “Dekasseguis”.  Evidentemente as relações e laços entre o Japão e a China, ainda estão conturbadas.  Houve na China muita onda de protestos antinipônicos além da chantagem de boicote aos produtos japonêses e o governo de Pequim promete impor sansões econômicas ao Japão.  No meu ponto de vista  acho que nesta disputa das Ilhas, ambos os países saem prejudicados.  A transação comercial é extremamente relevante com evidência à  milhares de empresas japonesas instalados na China e a população chinesa no Japão ultrapassa um milhão de pessoas, enquanto que a de brasileiros deve estar em torno de 210.000  pessoas (há seis anos atrás superava  280.000 residentes).

O fato é que a China reivindica a soberania sobre as ilhas com paixão nacionalista.  Na realidade tanto a China e também o Taiwan passaram a requerer a posse dessa zona marítima, após um relatório da ONU que anunciou a possibilidade de reservas de gás e petróleo no seu fundo marítimo.  Para a China que vem adotando uma política agressiva a fim de se firmar como potência marítima, pois estas ilhas situam em ponto estratégico conforme declara o professor kazuhiko Togo, especialista em assuntos internacionais da Universidade Tecnológica de Quioto.

Inclusive numa entrevista do Ministro da Defesa da China afirmou tomar novas  medidas de acordo com a situação no Mar da China Oriental.  “Com certeza, continuamos esperando uma solução pacífica e negociada para o tema” disse o Ministro. Também atribuiu ao Japão a responsabilidade pelo aumento da tensão, ao afirmar que o arquipélago em disputa pertenceu a China durante séculos.

Na visão do professor, Pequim tem interesse em conquistar essa zona mostrando seu poderio para os vizinhos asiáticos e assim projetar suas ambições de domínio para além do Mar da China.

Em um artigo publicado no site do Instituto Sagres o doutor  em Ciências Navais,  Roberto Carvalho de Medeiros, diz que a China planeja fortalecer a presença também no Mar da China Meridional, banhado pela Filipinas,  Vietnã e Camboja, até chegar ao estreito de Malala.  Por esse canal  passam os navios petroleiros provenientes da África e do Oriente Médio que abastecem a Àsia.

Com o crescimento da sua economia, alcançando-a à condição de segunda potência mundial, ela precisa garantir livre passagem pelos corredores marítimos para que seus navios possam transportar energia e produtos comenta o professor Togo.

A China teme que os EUA e/ou aliados obstruam essa logística caso haja alguma desavença. Mas as ambiçôes  das ilhas vão mais longe, estendendo-se até o Oceano Índico e também no Pacífico.  Se essa afirmação nos mares  esconde intenções belicosas,  só o tempo dirá.  E o primeiro obstáculo que se interpõe a essa empreitada é a Força Naval de Autodefesa Japonêsa.

Toda essa polêmica é o resultado evidente do crescimento econômico da China que hoje busca uma presença Político-Militar à altura da expansão comercial. “ O país emergente não quer mais se comportar como força continental ”, segundo o  comentário da doutora em Relações Internacionais da Universidade de Brasília, Danielly Silva Ramos.  Ressalva porém que,  esse poderio militar ainda é pequeno em relação ao dos EUA, a quem não interessa o surgimento de uma potência hegemônica na Ásia.  Não acredita que a disputa venha ser resolvida por força, já que a China perderia o apoio político e econômico mundial, e os dois países adiam a solução, intiminando com pequenos atos simbólicos como treinamento militar próximo às ilhas.

O setor automobilístico balançou e estremeceu a economia japonêsa. A poderosa Toyota teve redução de 44% das vendas na China em outubro de 2012 em comparação ao mesmo período do ano anterior com 45.600 unidades a menos. A importação de carros do Japão também diminuiu e o impacto para os trabalhadores brasileiros no Japão com certeza não foi diferente.

Esse cenário causa aflição no mercado de trabalho. Não se trata de um caso isolado da Toyota, mas de todas as empresas como Honda, Nissan, Mazda, Subaru etc. em relação às vendas na China. A situação só não ficou pior graças ao empurrão dos EUA e Sudeste Asiático. E  a queda nas vendas da Honda na China foi ainda pior: mais de 53% em outubro, aliás da mesma forma nos EUA o desempenho foi favorável ajudando a amortecer o impácto. Mas, como não tem muito a ver com o emprêgo dentro do país não vou detalhar. Enfim o que  também provoca preocupação é o fechamento em série de fábricas ligados ao setor de eletrônicos e automotivos (mudança de fábricas no pólo Asiático onde o custo de mão-de-obra é baixa entre elas a China).

Já que falamos da China, no editorial do professor  José Carlos Iwabe referindo ao “Dragão e o dilema dos Samurais” descreve:

O mercado é voraz, a concorrência cruel e impiedosa e quem não se supera continuamente acaba sendo devorado no turbilhão do capitalismo globalizado. A grande sombra que obscurece o Sol Nascente vem do Dragão Chinês. De maneira impressionante - para não dizer estranhíssima – a China se tornou vedete da economia mundial e como que num passe de mágica passou, de exótica e miserável nação comunista, ao status do mais cobiçado parceiro comercial, sem que nada tenha oferecido para merecer tal distinção. A única justificativa foi o “seu imenso potencial como mercado consumidor”, com os seus 1,3 bilhões de habitantes. A China sempre desrespeitou cinicamente inúmeros pré-requisitos necessários para ser legítimo e confiável interlocutor:  os Direitos Humanos são ignorados, não há liberdade política, de imprensa nem de idéias. O regime é totalitário e policialesco. Foi piratendo desavergonhadamente, num desprezo total à propriedade intelectual e industrial que ingressou no mundo capitalista.

Das razões econômicas o que de fato estimulou a corrida por instalar-se na China foi o custo de mão-de-obra.  Milhões de pessoas dispostas a trabalhar por ninharia, já que passavam penúria, e ainda sem o ônus dos encargos sociais para as empresas.  Em troca de benefícios fiscais e terras cedidas para as plantas industriais, milhares de empresas de todo o mundo lá foram, ávidas por tirar proveito da situação, fechando os olhos à realidade política e social vigente.

Injetaram trilhões de dólares num fluxo contínuo, transferiram tecnologia, aceitando alegremente a imposição de sócios chineses, sempre membro do governo e criaram imensos parques industriais. De dentro de uma nação não-cárcere, onde a democracia é um ente desconhecido, surgiu o Dragão comuno-capitalista, que hoje é  o fiel da balança da economia global, pois tornou-se provedor universal do consumo popular e é também o principal comprador de matérias primas e alimentos.

A China, tendo desbancado o Japão (desde 2010 é a segunda maior economia), ainda se dá o direito de invadir e ocupar a maior parte das prateleiras, gôndolas e expositores dos supermercados, shoppings e lojas em território japonês, sendo hoje difícil comprar um eletroeletrônico “made in Japan”.

Para fugir ao iene supervalorizado e ao alto custo da mão-de-obra, as indústrias transferem suas atividades para países sul-asiáticos – mas principalmente para a China – enfraquecendo ainda mais a combalida economia japonesa e injetando mais poder ao seu algoz. Paralelamente a Coréia do Sul, o Tigre Asiático, afia os seus dentes e estende suas garras sobre os países emergentes, disputando, seus mercados com os produtos que concorrem em pé de igualdade tecnológica com os produtos japonêses...e mais baratos.  É uma encruzilhada, um dilema shakespeariano para os samurais: “Ser ou não ser (uma grande potência), eis a questão!”

E o velho dito popular brasileiro hoje apavora o Japão: “Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come!”

 

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013


REFLEXÃO PARA 2013

 

Os homens perdem a

saúde para juntar dinheiro,

depois perdem o dinheiro

para recuperar a saúde.E

por pensarem

ansiosamente no futuro

esquecem do presente de

forma que acabam por não

viver nem no presente

nem no futuro. Vivem

como se nunca fossem

morrer e morrem como se

nunca tivesse vivido.

- Dalai Lama

 

Vamos buscar o equilíbrio entre a  Razão e a Emoção

 

Se tudo na vida fosse só alegria,

as pessoas não dariam valor a

felicidade. Ás vezes é preciso

chorar para sabermos o quanto

é bom sorrir, é preciso sentir

saudade para saber o quanto

gostamos de alguém, quando

temos tudo na mão nada parece ter

valor. A vida é um antes,um

durante e um depois. Por isso,

viva o HOJE, esqueça o ontem

e deixe Deus decidir o amanhã.

 

 

E quando perguntarem do seu passado, simplesmente responda:

Eu não vivo mais lá!

 

domingo, 23 de dezembro de 2012



NATAL  E  ANO NOVO  NO  JAPÃO

 

Na realidade a passagem de Natal no Japão tem uma característica bem diferente ao do Brasil.  Evidentemente os costumes e tradições como também  no aspecto  da crença religiosa, das atitudes como também do ponto de vista, tenha procedimento diferenciado.

Perguntei a alguns amigos japoneses se eles sabiam o que os brasileiros comem no Natal (no Brasil), simplesmente responderam frango e bolo.  Achei engraçado, com todo respeito, imaginando a fartura e o clima festiva relevante juntamente com amigos,  reunindo os familiares comemorando com champanha, muitas frutas, proporcionado com o tradicional peru assado e o famoso leitão caseiro, enfim uma  Ceia de Natal digno , porém  paradoxal para os dekasseguis. Já que falamos em comida me lembro de uma  amiga mineira no qual tive a honra de passar o Natal fiquei impressionado pois sou paulista e já  teria ouvido falar da famosa culinária mineira, como frango (caipira) com quiabo que tradicionalmente é comida de domingo.  E bolo recheado e confeitado ou sem recheio para acompanhar com café passado na hora, sem esquecer o bolo de fubá que eu adoro. Mas a Ceia de Natal é imprescindível  no cardápio, os três pratos que são: peru ( não serve chester), pernil ou lombo e leitoa. Não podendo esquecer dos acompanhantes, um arrozinho da mamãe, feijão tropeiro ou uma farofa no capricho e salada de maionese, hummm... (sem falar da sobremesa).

Entretanto nós que estamos aqui a situação evidentemente é diferente. As famílias brasileiras tenta fazer o possível para preservar  e manter a tradição mesmo com frango (KFC) e Christmas Cake, improvisando amigo secreto de 100yen, além de que todos trabalham no dia de Natal, não esquecendo do presente de Papai Noel  às crinças e árvore de Natal. Para quem passou infância no Brasil o Natal sempre foi sinônimo de presentes. Essa magia do Natal continua nos costumes e presentear é um ato tão característico e importante que passa essa magia aos filhos. Nessa troca de presentes na família é recomendável presentear  a todos mesmo que se dê somente “mimo” aos menos chegados.  Outra tradição da comemoraçãoa são os amigos secretos ou ocultos, porém o amigo secreto é sempre uma saia justa, sempre tem alguém insatisfeito ou mesmo reclamando.  O melhor é sempre dar algo neutro.

No Japão na comemoração de Natal tem denominação  com o  X’mas, Merry Christmas, happy, Santa Claus sem relacionar com cristianismo mesmo porque a maioria são  Xintoístas e Budistas.  Recentemente nessa época as lojas e os centros comerciais tem investido nas decorações,  muitas luzes, enfeites, promoções,  notando-se grandes movimentos e muito party ( bounenkai ) de confraternização.

Aliás os japoneses comemoram efetivamente o Ano Novo (oshougatsu) e a gente acompanha o ritual como ir ao templo, rezar, pedir e adquirir  amuletos para ter mais sorte e proteção. De certa forma confesso que para os dekasseguis o Natal  aqui é triste e deixa-nos com muita saudade do Brasil.

 

O ano de 2013 será regido pela  Serpente segundo a  Astrologia Chinesa.  A Serpente é considerada enigmática e que o Ano Novo será propício para buscar o Equilíbrio entre a Razão e a Emoção, além de ser uma fase para cultivar a Reflexão.  Será preciso ter metas definidas e agir com praticidade, mas de maneira planejada. Se as pessoas mantiverem o foco em seus objetivos e traçarem estratégias de ação, será mais fácil lidar com os imprevistos e surpresas de última hora.

Aqueles que souberem usar sabedoria da Serpente, poderão desenvolver um lado intuitivo e ficar mais confiantes. O novo ano também trará a possibilidade de alcançar o reconhecimentos de esforços, além de favorecer a pesquisa científica, o comércio, as finanças e as atividades relacionadas a arte, beleza, pensamento filosófico, e assuntos místicos.

Vamos renovar  as Energias e  Estabelecer os Sonhos e Metas.

E para o ano da Serpente desejo a todos muita Paz, Amor, Saúde, Fé, União e Felicidade.

 

BOBOAS FESTAS E UM FELIZ 2013
BOAS FESTAS  E UM FELIZ 2013
 

quinta-feira, 15 de novembro de 2012


JAPÃO INCENTIVA VISTO DE TRABALHO PARA PESSOAL QUALIFICADO


 

Acaba de entrar em vigor no país o  “SISTEMA PREFERENCIAL de PONTUAÇÃO para PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS ALTAMENTE QUALIFICADOS”, iniciativa do  MINISTÉRIO das RELAÇÕES EXTERIORES do JAPÃO que tem como objetivo estimular, por meio de facilidades migratórias, a vinda de especialistas estrangeiros nas áreas em que há déficit de mão-de- obra local.

São três áreas em que os interessados podem candidatar-se:  acadêmica ou de pesquisa;  especializada ou de tecnologia; e de gestão empresarial.  Os critérios de seleção incluem escolaridade, experiência profissional, renda e idade.

O beneficiários do programa terão as seguintes vantagens: ampla permissão de trabalho, mesmo em atividades distintas daquelas previstas no visto; prazo de permanência no país de 5 anos;  relaxamento dos requisitos para a obtenção da residência permanente; tratamento preferencial no processamento dos documentos migratórios;  permissão de trabalho para o cônjuge;  permissão em casos especiais, para trazer os pais para morar no Japão; e permissão em casos especiais para trazer empregado doméstico estrangeiro.

Mais informações estão disponíveis nos seguintes endereços eletrônicos do Departamento de Imigração do Japão: